domingo, 11 de maio de 2014

Kernel

o que havia antes,
fora o ruído sólido e a companhia inerte
e eu que não sabia se eu era;
havia toda angústia e espera

o que eu tive enquanto,
durante a alvorada,
os braços que esquentaram,
os traços que me acalmam,
eu tive todo o tempo do mundo.

o que virá depois
não é a madrugada,
não é mero silêncio
não é a solidão. nem isso é...

Nenhum comentário:

Postar um comentário